Menu

Existe um fundamentalismo católico?

17 JAN 2016
17 de Janeiro de 2016
Neste tempo, onde a intolerância religiosa esta aflorada, achei pertinente reproduzir aqui este texto que foi publicado no site Aleteia sobre o fundamentalismo existente na Igreja Católica.

A matéria é de Lucandrea Massaro, e o entrevistado foi o professor italiano Massimo Introvigne, sociólogo, presidente do Centro de Estudos sobre Novas Religiões e delegado da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) para o combate à discriminação religiosa, que publicou recentemente o ensaio “Fundamentalismo: das origens ao Estado Islâmico”. Ele também aborda o fundamentalismo em geral, o que abrange inclusive as manifestações fundamentalistas do cristianismo.

Aleteia: O senhor pode explicar melhor esta questão?

Introvigne: Como o papa Francisco reiterou na missa de abertura do sínodo, a Tradição na Igreja é concebida como “viva”. Ela não é um código normativo fixo, um manual para confrontar comportamentos – incluindo os do próprio papa – e ver se eles são ortodoxos ou não. Não existe em nenhuma livraria um livro chamado “A Tradição” e que contenha toda a Tradição. Existe o “Catecismo da Igreja Católica”, é claro, mas o de São João Paulo II não é igual ao do Concílio de Trento. A Tradição é um depósito vivo e, para saber o que é a Tradição hoje, é preciso se voltar ao Magistério. O fundamentalismo católico, no entanto, pensa que a Tradição é um conjunto fechado de teses, com base nas quais se pode julgar também o papa de hoje e até declará-lo heterodoxo. Precisamente porque não existe nenhum livro chamado “A Tradição”, o fundamentalista constrói a tradição que ele mesmo prefere e se coloca no lugar do papa como a última instância para definir o que é a Tradição.

Aleteia: Em geral, como o senhor definiria o fenômeno do fundamentalismo?

Introvigne: Eu acho que a metáfora do voo, usada por São João Paulo II no início da “Fides et Ratio”, é aceitável também para os sociólogos. Para voar, precisamos de duas asas, a fé e a razão. Se a asa da fé se hipertrofia e a fé engole a razão, o avião cai. É o fundamentalismo. Se a asa da razão se hipertrofia e engole a fé, temos o laicismo, e o avião cai do mesmo jeito.

Aleteia: Hoje, também por causa da difusão das mídias sociais, acontecem ataques pesados contra ?ao Santo Padre, com tons que ultrapassam a mera discordância e chegam a acusá-lo até de compromisso com o mundo, de antipapa e não ser nem mesmo católico. São minorias barulhentas, são uma retaguarda “fixista”?

Introvigne: Eu diria que assistimos à manifestação aberta do fundamentalismo católico. Ele já existia antes e também criticava São João Paulo II (pensemos no encontro ecumênico de Assis) e Bento XVI. Mas avança mascarado, enquanto agora, com o papa Francisco, se manifesta abertamente. O Magistério nos diz tudo o que precisamos saber sobre o fundamentalismo: ele é uma perversão da religião e da fé. Ele também é tecnicamente subversivo, porque subverte a dinâmica, divinamente instituída, da autoridade da Igreja: tira a autoridade do papa com o pretexto de dar toda a autoridade à Tradição, representada no cabeça de turno desta ou daquela facção fundamentalista.

Aleteia: Uma das características do fundamentalismo é o uso de violência física, muitas vezes impune, como infelizmente vemos em muitos países, a maioria na Ásia, mas não somente, e de maioria muçulmana (Paquistão, áreas dominadas pelo Estado Islâmico, Arábia Saudita, Irã), mas também nos lugares da preponderância hinduísta ou budista. Em princípio, essa violência é hoje muito menos forte no cristianismo e quase completamente ausente no catolicismo. Isto é uma simplificação ou corresponde a um valor real?

Introvigne: É um dado real. O catolicismo contém em si os anticorpos contra a violência. Você pode pensar em todos os males dos católicos fundamentalistas, mas não pode acusá-los ??de violentos. Eles não são.

Aleteia: Como sair do fundamentalismo? Há um modo em comum ou cada fé tem – ou deveria ter – a sua própria maneira de superá-lo?

Introvigne: O modo em comum foi indicado por São João Paulo II e foi dominante no Magistério de Bento XVI: nem separação, nem confusão, mas colaboração – na distinção – entre a fé e a razão. Cada religião, no entanto, tem a sua especificidade e precisa encontrar as formas de autocrítica e de superação do fundamentalismo.

Fonte: Aleteia
Voltar

Mais unção na sua internet!

Tenha você também a sua rádio